Como é e como funciona o come-cotas

por | out 25, 2021 | Educação Financeira | 0 Comentários

Trata-se de uma forma que a Receita Federal tem de tributar os rendimentos acumulados ao longo de um semestre em um fundo de investimento.

Esse recolhimento acontece duas vezes por ano, sempre no último dia útil de novembro e no último dia útil do mês de maio. 

É uma antecipação do recolhimento de Imposto de Renda. 

Para entendê-lo, é necessário saber que a cobrança de Imposto de Renda segue uma tabela regressiva, de acordo com o tempo que o dinheiro fica aplicado:

Tempo de aplicaçãoAlíquota
Menos de 6 meses22,50%
Mais de 6 meses, menos de um ano20%
Mais de um ano, menos de dois anos17,50%
Mais de dois anos15%

Com relação aos fundos de curto prazo, são adotadas duas alíquotas: 22,5% para aplicações de até 180 dias e 20% para aplicações de 181 dias ou mais. 

Para os fundos de longo prazo, são cobradas da seguinte forma:

22,5% em aplicações de até 180 dias 

20% em aplicações de 181 a 360 dias

17,5% em aplicações de 361 a 720 dias 

15% em aplicações de 721 dias ou mais. 

A tributação do come-cotas antecipa essa cobrança uma vez por semestre, então, na hora do resgate, ocorre o cálculo da diferença entre esse valor antecipado e a alíquota do Imposto de Renda sobre o investimento, como na tabela acima. 

Essa cobrança aparece no extrato do resgate, pegando de surpresa muitos investidores. Não é uma escolha da instituição ou corretora, todas as instituições financeiras devem recolher o imposto. 

Mesmo assim, investir em fundos vale a pena?

Sim, vale. Mas é importante entender certinho quais são os tributos que você terá que pagar, para traçar seus objetivos e escolher qual a opção melhor para o capital que você tem disponível. 

Com o come-cotas, o potencial dos juros compostos é reduzido. Se não há antecipação de imposto, o valor líquido resgatado tem condições de ser maior. 

É importante lembrar que o come-cotas não incide sobre todos os fundos. Os fundos de ações, os fundos de previdência e os fundos imobiliários têm uma tributação diferenciada. 

Quais fundos possuem come-cotas

Geralmente consta no regulamento do seu investimento a cobrança do come-cotas. Para confirmar a incidência e alíquota é preciso verificar o contrato. Os fundos que possuem come-cotas são:

 – Fundos de renda fixa 

 – Fundos DI

 – Fundos multimercados

 – Fundos cambiais.

Uma das vantagens do come-cotas é o fato dele ter um funcionamento automático. 

O investidor não precisa recolhê-lo ou gerar uma guia para que o imposto seja pago, o recolhimento é automático e calculado sobre o lucro que foi obtido no período. 

É importante frisar que o come-cotas só incide sobre os rendimentos. Se não houver lucro, o número de cotas será mantido. 

Ou seja, a cada seis meses a Receita Federal irá olhar para o seu rendimento do período e retirar em cotas o valor equivalente ao imposto que incide sobre o tipo de prazo do fundo. 

Se houver resgate dos investimentos, será calculada a diferença entre o último come-cotas e a alíquota correspondente ao tempo que o investidor ficou no fundo. 

Para entender melhor como funciona o cálculo do come-cotas, é preciso compreender que, quando um investidor entra em um fundo de investimentos, ele compra partes de um todo – as partes que são chamadas de cotas. 

Como o investidor ainda não sacou todo o dinheiro, quando a tributação do come-cotas acontece, o imposto é pago na forma de cotas. 

Muitas pessoas veem essa antecipação como uma grande desvantagem para fundos de investimento, pois a cobrança de Imposto de Renda acaba acontecendo de duas formas – com o come-cotas e na hora do resgate. 

Porém, cada investimento vai depender do perfil do investidor e do objetivo que o mesmo tem para a rentabilidade do seu dinheiro. O investidor deve verificar bem a incidência de taxas de administração e de rentabilidade.

Dicas para evitar o come-cotas

Alguns fundos estão livres de cobrança antecipada do Imposto de Renda:

 – Fundos de ações: além da isenção de come-cotas, apresenta como vantagem a possibilidade de pagar dividendos, dependendo do tipo de fundo e ação que ele tiver sob custódia. 

 – Fundos long-short: considerados como investimentos em mão dupla, neles o gestor do fundo estuda o mercado para obter rendimentos, onde o ganho se baseia na diferença obtida em duas transações simultâneas. 

 – Fundos de previdência: são isentos de come-cotas e tem o menor de todas as tributações quando são resgatados, dependendo do tempo de aplicação, com alíquota mínima de 10%. 

Concluindo, de acordo com seu perfil de investidor, é essencial que você invista em fundos, mas é importante conhecer os impostos e a forma com que eles são cobrados no seu investimento. 

Augusto Maurício

Augusto Maurício

Formado em Engenharia, iniciei no mercado de ações em 2004 realizando operações de Swing Trade. Naquela época não existia muita informação como hoje e meu aprendizado foi baseado em livros e tentativas e erros. Com a prática conquistei mas conhecimento do que perdas, e não foram poucas. Hoje me sinto capaz e faço parte de uma equipe que me motiva a ajudar a transformação na vida das pessoas.

0 comentários

Enviar um comentário

Outros artigos